Artigos

7 de agosto de 2019
Share on facebook
Compartilhe
Share on google
Compartilhe
Share on twitter
Compartilhe
Share on linkedin
Compartilhe

Número de embriões congelados no Brasil mais do que dobrou em cinco anos, afirma pesquisa da Anvisa 

Número de embriões congelados no Brasil mais do que dobrou em cinco anos, afirma pesquisa da Anvisa

Os dados divulgados no 12º Relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio), publicado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), listou que a quantidade de embriões congelados no país mais do que dobrou entre 2013 e 2018. O congelamento de embriões costuma ser uma continuação do processo de FIV, que cresceu 18,7% no ano passado.

Já o congelamento de óvulos costuma ser recomendado para mulheres que desejam adiar por mais algum tempo a maternidade, sobretudo para após os 35 anos. O método consiste em preservar os óvulos e, consequentemente, a fertilidade feminina. A paciente que opta pelo congelamento deve se submeter ao estímulo ovariano controlado e passar por uma punção ovariana — extração dos óvulos do interior dos folículos.

Com o número de procedimentos: congelamento de óvulos e fertilização in vitro crescendo, consequentemente, cresce também o número de clínicas de fertilização no país. Sobre o que é permitido pelas clinicas, estas podem congelar espermatozoides, óvulos, embriões, fragmentos de ovários e testículos. No entanto, é preciso cuidado com a documentação. É preciso estar atento e preencher sua vontade por escrito quanto ao destino que será dado aos embriões congelados em caso de divórcio, doenças graves ou morte de um dos parceiros ou de ambos. Recentemente, houve um problema que ganhou os holofotes sobre o tema, onde uma clínica do Brasil não pediu esse documento ao casal e o marido morreu, gerando assim uma situação que foi parar na justiça.

Devemos respeitar muito o fator idade, sobretudo da mulher, porque a tecnologia e a medicina podem ajudar nesse sonho, mas acompanhar o relógio biológico, também, é essencial.

 

Fonte: ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Agosto de 2019.

Texto escrito pelo Dr. Daniel Diógenes. Especialista em Medicina Reprodutiva. Diretor Técnico da Clínica Fertibaby Ceará.

Artigos relacionados

× Como posso te ajudar?