Atendimento ao Cliente: +55.85.3182.8300 - 3182.8800 - 98676.8008 / contato@fertibabyceara.com.br

Excesso de Peso prejudica a Fertilidade e a Gravidez

Excesso de Peso prejudica a Fertilidade e a Gravidez
20 de maio de 2019 Dra. Lilian Serio

Preocupação entre muitas mulheres obesas, especialistas explicam que as chances delas sofrerem infertilidade anovulatória é três vezes maior do que pacientes com IMC normal, além de ser comorbidade associada a menores taxas de sucesso em ciclos de reprodução assistida.

Se engana quem pensa que somente diabetes, hipertensão e doenças coronarianas estão associadas à obesidade. Uma pesquisa publicada no segundo semestre de 2018, pelo Journal of The North American Menopause Society, evidenciou que, à medida em que o Índice de Massa Corporal (IMC) aumenta, são observados distúrbios férteis, menstruais e ovulatórios.

Ovários de pacientes obesas produzem mais hormônios masculinos causando anovulação hiperandrogênica (distúrbio endócrino gerado pelo excesso de andrógenos, como a testosterona). Além de todos esses problemas, a qualidade do óvulo também é prejudicada. Isso vale, também, para os homens. O excesso de peso altera as taxas de dois hormônios importantes, reduz o nível de testosterona e aumenta o de estradiol, o que compromete a produção de esperma. Há casos em que a redução de 10% a 15% do peso já pode resultar no retorno na questão da fertilidade.

A obesidade é a mãe de todas as outras doenças e a mulher obesa pode não apenas prejudicar sua fertilidade, como ter riscos na gravidez. É possível que pacientes nessa condição engravidem sem problemas, mas, podem vir a ter enfermidades associadas como os problemas cardíacos e o diabetes.

Muitas mulheres que não conseguem emagrecer e melhorar seus índices ovulatórios acabam procurando os procedimentos bariátricos, que podem ser uma saída, também, para melhorar a saúde, mas, sem dúvida alguma, a melhor e primeira alternativa deve ser sempre uma reeducação alimentar e a prática de atividades físicas.

Fonte: Fertility and Sterility. Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM). Maio de 2019.

Texto escrito pela Dra. Lilian Serio. Especialista em Medicina Reprodutiva. Diretora da Clínica Fertibaby Ceará.

 

 

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*